Warning: file_get_contents(//fonts.googleapis.com/css?family=Roboto%3A400%2C700&subset=latin%2Clatin-ext): failed to open stream: No such file or directory in /home/sorocabaweb/www/wp-content/plugins/hummingbird-performance/core/modules/minify/class-minify-group.php on line 1329
Saúde

Eclâmpsia na gravidez: o que é e principais sintomas

Eclâmpsia na gravidez: o que é e principais sintomas – A eclâmpsia é considerada uma complicação muito grave durante a gravidez, que pode ser caracterizada por episódios repetidos de convulsões, seguidas de coma, e que pode ser Fatal.

Esta doença é muito mais comum durante os três últimos meses de gestação, porém pode se manifestar em qualquer período após a vigésima semana, durante o parto e até mesmo no pós-parto.

Principais sintomas da eclâmpsia

Quando falamos em eclâmpsia os sintomas são bem vastos, sendo que, os principais são:

  •  convulsões;
  •  dor de cabeça forte;
  •  hipertensão arterial;
  •  aumento rápido do peso;
  •  alteração na visão;
  •  vômitos constantes;
  •  inchaço nas mãos e nos pés;Eclâmpsia na gravidez: o que é e principais sintomas
  •  perda de proteínas pela urina;
  •  zumbido nos ouvidos;
  •  dor de barriga intensa.

Principais causas da eclâmpsia

As causas da eclâmpsia estão diretamente relacionadas com a implantação e também o desenvolvimento dos vasos sanguíneos da placenta, pois pode ocorrer falta de irrigação sanguínea da placenta, fazendo com que ela produz as substâncias que podem alterar a pressão do sangue e causar lesões nos rins.

Os principais fatores de risco para desenvolvimento da eclâmpsia são:

  •  gravidez em mulheres com menos de 18 anos ou mais de 40 anos;
  •  histórico familiar de eclâmpsia;
  •   gravidez de gêmeos;
  •  mulheres com hipertensão;
  •  obesidade;
  •  diabetes;
  •  grávidas com doenças auto-imunes.

Como é feito o tratamento da eclâmpsia

Diferentemente da hipertensão arterial, a eclâmpsia não responde aos diuréticos nenhuma dieta pobre em sal, Por isso mesmo o tratamento normalmente é feito com administração de sulfato de magnésio aplicado diretamente na veia, que auxilia no controle das convulsões e também na entrada em coma.

O repouso também faz parte do tratamento, em sua grande maioria é solicitado que a grávida fique deitada preferencialmente para o lado esquerdo, melhorando assim o fluxo de sangue do bebê.

Outra opção para o tratamento da eclâmpsia é a indução do parto, mas tudo vai depender da indicação médica.

Possíveis complicações da eclâmpsia

Caso a Eclâmpsia não seja tratada, pode ocorrer algumas complicações, entre elas a síndrome que é caracterizada por uma alteração da circulação sanguínea, que ocorre a destruição de glóbulos vermelhos, diminuição das plaquetas e também lesão nas células do fígado, provocando assim aumento das enzimas hepáticas.

Outra complicação possível é a diminuição do fluxo sanguíneo para o cérebro, causando assim lesões neurológicas, além de retenção de líquidos nos pulmões, dificuldades respiratórias é insuficiência renal ou no fígado.